Palavras cruzadas e um pouco de café.







domingo, 28 de outubro de 2012

Entre contrastes e contradições...

Sexta potência mundial e a 84ª posição no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), o Brasil é também o país que a apresenta uma das maiores taxas tributárias do mundo, perdendo apenas para a Suécia, que tem um dos melhores IDH. As contradições tornam-se evidentes a partir de tal dado, uma vez que os impostos pagos por cada cidadão desta nação deveria voltar na forma de investimentos nos mais variados setores, ou seja, este país deveria estar algumas posições à frente no IDH comparado ao atual.
Dessa forma, fica uma pergunta: O que explica tamanho paradoxo? Pois a população não deixa de pagar os mais variados impostos, no entanto há as mais variadas lacunas em nosso país no que diz respeito aos serviços prestados. Os tão conhecidos impostos foram criados para diminuir as diferenças sociais, isso significa que, os pobres deveriam receber os mesmos serviços públicos dos ricos, tais como: saúde, transporte, infra-estrutura, educação, etc.No entanto, isso pouco se ver. Tal realidade pode ser explicada por um fator muito conhecido pela população brasileira, a corrupção e a falta de punição.  Sim, pois se estas não existissem não haveria porquê muitas pessoas pagarem serviços privados como saúde e educação. Pois os impostos voltariam de forma mais justa à população.
Em vista dos argumentos apresentados, percebe-se que os governante precisam fazer sua parte, ou seja, investir no bem social da população. Fazendo com que as altas taxas tributárias pagas pelo brasileiro sem distinção de posição social, raça ou sexo retorne a todos em forma de desenvolvimento, sem distinção. Destarte, a sociedade também deve ser mais consciente ao escolher seus representantes, pois desta forma os principais problemas ligados à corrupção política poderão sanar e assim teríamos uma sociedade com um pouco menos de contradições e paradoxos. 

domingo, 23 de setembro de 2012

"Demonstre seu amor em palavras, palavras escritas, falas pausadas, discursos inflamados. "

"Namore um cara que se orgulha da biblioteca que tem, ao invés do carro, das roupas ou do penteado. Ele também tem essas coisas, mas sabe que não é isso que vai torná-lo interessante aos seus olhos.
Namore um cara que tenha uma pilha de três ou quatro livros na cabeceira e que lembre do nome da professora que o ensinou as primeiras letras.
Encontre um cara que lê. Não é difícil descobrir: ele é aq
uele que tem a fala mansa e os olhos inquietos. Ele é aquele que pede, toda vez que vocês saem para passear, para entrar rapidinho na livraria, só para olhar um pouco. Sabe aquele que às vezes fica calado porque sabe que as palavras são importantes demais para serem desperdiçadas? Esse é o que lê.
Ele é o cara que não tem medo de se sentar sozinho num café, num bar, num restaurante. Mas, se você olhar bem, ele não está sozinho: tem sempre um livro por perto, nem que seja só no pensamento. O rosto pode ser sério, mas ele não morde, não. Sente-se na mesa ao lado, estique o olho para enxergar a capa, sorria de leve. É bem fácil saber sobre o quê conversar.
Diga algo sobre o Nobel do Vargas Llosa. Fale sobre sobre as novas traduções que andam saindo por aí. Cuidado: certos best-sellers são assunto proibido. Peça uma dica. Pergunte o que ele está lendo –e tenha paciência para escutar, a resposta nunca é assim tão fácil.
Namore um cara que lê, ele vai entender um pouco melhor seu universo, porque já leu Simone, Clarice e –talvez não admita– sabe de memória uns trechos de Jane Austen. Seja você mesma, você mesmíssima, porque ele sabe que são as complicações, os poréns que fazem uma grande heroína. Um cara que lê enxerga em você todas as personagens de todos os romances.
Um cara que lê não tem pressa, sabe que as pessoas aprendem com os anos, que qualquer um dos grandes tem parágrafos ruins, que o Saramago começou já velho, que o Calvino melhorou a cada romance, que o Borges pode soar sem sentido e que os russos precisam de paciência.
Um namorado que lê gosta de muita coisa, mas, na dúvida, é fácil presenteá-lo: livro no aniversário, livro no Natal, livro na Páscoa. E livro no Dia das Crianças, por que não? Um cara que lê nunca abandonará uma pontinha de vontade de ser Mogli, o menino lobo.
E você também ganhará um ou outro livro de presente. No seu aniversário ou no Dia dos Namorados ou numa terça-feira qualquer. E já fique sabendo que o mais importante não é bem o livro, mas o que ele quis dizer quando escolheu justo esse. Um cara que lê não dá um livro por acaso. E escreve dedicatórias, sempre.
Entenda que ele precisa de um tempo sozinho, mas não é porque quer fugir de você. Invariavelmente, ele vai voltar –com o coração aquecido– para o seu lado.
Demonstre seu amor em palavras, palavras escritas, falas pausadas, discursos inflamados. Ou em silêncios cheios de significados; nem todo silêncio é vazio.
Ele vai se dedicar a transformar sua vida numa história. Deixará post-its com trechos de Tagore no espelho, mandará parágrafos de Saint-Exupéry por SMS. Você poderá, se chegar de mansinho, ouví-lo lendo Neruda baixinho no quarto ao lado. Quem sabe ele recite alguma coisa, meio envergonhado, nos dias especiais. Um cara que lê vai contar aos seus filhos a História Sem Fim e esconder a mão na manga do pijama para imitar o Capitão Gancho.
Namore um cara que lê porque você merece. Merece um cara que coloque na sua vida aquela beleza singela dos grandes poemas. Se quiser uma companhia superficial, uma coisinha só para quebrar o galho por enquanto, então talvez ele não seja o melhor. Mas se quiser aquela parte do “e eles viveram felizes para sempre”, namore um cara que lê.
Ou, melhor ainda, namore um cara que escreve
."

sábado, 15 de setembro de 2012

Pensamentos deslocados

"Escrevo por não ter nada a fazer no mundo: sobrei e não há lugar para mim na terra dos homens. Escrevo porque sou um desesperado e estou cansado, não suporto mais a rotina de me ser e se não fosse a sempre novidade que é escrever, eu me morreria simbolicamente todos os dias. Mas preparado estou para sair discretamente pela saída da porta dos fundos. Experimentei quase tudo, inclusive a paixão e o seu desespero. E agora só quereria ter o que eu tivesse sido e não fui."
(LISPECTOR, C. A hora da estrela.)

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Sinfonia de Café

Que tal um pouco de café numa noite solitária? Uma das melhores bebidas do mundo e a melhor companhia também. Não é atoa que nos intervalos dos vários goles quentes e amargos, vem-me à mente aqueles antigos pensamentos os quais sempre assolam-me em um dado momento de meu dia. Parar e refletir sobre a vida é sempre muito nostálgico, nostalgia esta constantemente adquirida através da cafeína. Pensar, refletir e melhorar, são os passos rumo ao aperfeiçoamento, a algo melhor, ao bem estar com o ego. Um caminho intimista, porém prazeroso devido ao advento do café.

domingo, 19 de agosto de 2012

Amor deveras


Abraços demorados, cheirinhos, carinhos, beijinhos... Demostrações de afeto que são muito mais gostosas quando vindas de quem a gente realmente gosta. É prolixo, mas os casos de amor "não-realizado" continuam constantes e por vezes chegam a durar anos e anos. Sem dúvida, esse é o tipo de sentimento que mais dói. Querer algo incostante, é normal aos nossos padrôes "romanticos" atuais, é o que antes
 era chamado por Gonçalves Dias e tantos outros, de exaltação da coisa amada, porém em uma perspectiva modernista na plenitude do século 21.
A coisa amada em questão não é de fato uma "coisa", com efeito, é um conjunto de coisas que configuram um ser, sendo este amado, desejado e inalcansável. Seja momentâneamente ou, nos piores casos, eternamente, o ser amado aqui é de verdade inalcansável chegando a ser, enaltecido.
Amar se torna inevitável mesmo quando muitas vezes, quem amamos já esteja amando outro alguém. Ama-se pelo cheiro, pela incostância que o outro dá, e em vários casos, pelos momentos partilhados que seguem numa memória reativada a toda hora fazendo com que a saudade fique insuportável. Amar aqui se torna mais belo, por querer ao outro a sua felicidade mesmo que não seja ao nosso lado.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

A título de "paixonite"...


A maneira como certas pessoas tornam momentos simples em momentos especiais, faz com que mudemos a  forma de pensar em relação a esse determinado alguém. Há certos detalhes que são muito importantes pois são eles que muitas vezes, faz se tornar inesquecível algo que poderia ser ordinário e corriqueiro. E não tem jeito, depois que você nota a diferença que os mínimos detalhes fazem, tudo fica mais claro e  a gente começa a ver a situação com outros olhos.
Na verdade, é notório que NÓS mulheres, temos verdadeira obsessão por esse tipo de coisa. Cada gesto, cada olhar, cada palavra sempre contam muitos pontos ao final das contas. As mulheres têm muito desse tipo de coisa, nós costumamos ir até o fim quando achamos que aquilo é o certo. A gente se faz de rogada, só para ver se há reciprocidade, mas no fundo, bem no fundinho queríamos que todas as nossas expectativas, erroneamente criadas, fossem alcançadas.
Mantemos os pés bem fixos no chão, mas o perigo começa quando um "esperto" sabe exatamente o caminho de como tirá-los de lá. E você tem medo que ele saiba que é conhecedor de tal caminho. Tudo começa assim. Medo, insegurança, gostar, sensação de bem estar, tudo se mescla e acaba fazendo uma salada de frutas em nossas cabeças. São tantos pensamentos soltos, tantas probabilidades, que ás vezes nos esquecemos de viver aquilo. Que dá medo, dá! Isso acontece justamente, porque o lado feminino tem dessas coisas.Sempre queremos organizar o futuro.Verdade seja dita, fazemos planos para estar junto daquela pessoa que nos faz bem, aquela que a cada ligação faz-nos tirar novas conclusões, e que mesmo com toda a insegurança, ainda sim, queremos estar ali,com ela, vivendo!
O mulheril precisa aprender uma coisa, que de fato, não é fácil mas temos que viver nosso presente, sem preocupações com o futuro. Por que temos medo de nos apaixonar? Paixão talvez seja mesmo algo perigoso. O segredo então, é aprender a dar dosagens suficiente ao nosso coração, para não correr o risco de existirem efeitos colaterais pois são esses "rapazes" que nos fazem ter toda aquela insegurança. Encare a paixão como se fosse um remédio, lembrando que caso for super dosado, existirá complicações.
E nesses anos de paixonites o que venho aprendendo é o seguinte, se algo te faz feliz, não tenha medo de viver. Procure não se prender ao seu futuro, e concentre-se em seu presente. E por favor, não tire conclusões precipitadas tomando como pressuposto seu passado. VIVA! Apenas viva o momento dando chance ao sentimento. E, como diria a minha querida genitora: "O segredo é ter jeitinho, e ir sempre pela beiradas!"

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Mulheres


"Eu tenho orgulho de ser mulher! E costumo dizer que, nunca queimaria meus sutiãs." - Fernanda Mello


sexta-feira, 27 de abril de 2012

EU QUERO P A Z !!



Só preciso de PAZ! Esta vive a faltar em minha vida, e isso de fato é saturante. Quero apenas respirar ar puro, e esquecer de todos os problemas de uma conturbada vida. Não me satisfaço em apenas ter fé, eu preciso de PAZ! Então peço que, bons ventos tragam boas novas. Dos males o menor, estou em busca do maior bem. Em nome do Pai, livrai-me do mal. Amém!

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Expressando-me com outras palavras


"(...) Mas, enfim, os cabelos iam acabando, por mais que os quisesse intermináveis.(...) mas desejei penteá-los por todos os séculos dos séculos, tecer duas tranças que pudessem envolver o infinito por um número inominável de vezes. Se isto vos parecer enfático, desgraçado leitor, é que nunca penteastes uma pequena. Nunca pusestes a mãos adolescentes na jovem cabeça de uma ninfa... Uma ninfa!"
(Cap. XXXIII, Dom Casmurro)

domingo, 25 de março de 2012

O amor é punk, e outras drogas também. BLOG NOVO!!


Oi, meus docinhos de abóbora com chantili :) Hoje o post é para divulgar meu mais novo blog! Então, resolvi criar um blog pessoal no facebook, o que torna mais acessível ainda. E nem me passou pela cabeça a possibilidade de deixar esse aqui!! Por isso, vou postar nos dois, o diferencial é que lá existem mais artifícios para se usar, e as coisas são mais instantâneas. E aqui, os textos como de praxe, continuarão a ser longos.
Logo, se houver interesse de participar do meu novo blog, o link é esse "O amor é punk, e outras drogas também." , e ajudem a divulgar, belezinhas !  Beijocas no coração, até!