Palavras cruzadas e um pouco de café.







quarta-feira, 23 de maio de 2012

A título de "paixonite"...


A maneira como certas pessoas tornam momentos simples em momentos especiais, faz com que mudemos a  forma de pensar em relação a esse determinado alguém. Há certos detalhes que são muito importantes pois são eles que muitas vezes, faz se tornar inesquecível algo que poderia ser ordinário e corriqueiro. E não tem jeito, depois que você nota a diferença que os mínimos detalhes fazem, tudo fica mais claro e  a gente começa a ver a situação com outros olhos.
Na verdade, é notório que NÓS mulheres, temos verdadeira obsessão por esse tipo de coisa. Cada gesto, cada olhar, cada palavra sempre contam muitos pontos ao final das contas. As mulheres têm muito desse tipo de coisa, nós costumamos ir até o fim quando achamos que aquilo é o certo. A gente se faz de rogada, só para ver se há reciprocidade, mas no fundo, bem no fundinho queríamos que todas as nossas expectativas, erroneamente criadas, fossem alcançadas.
Mantemos os pés bem fixos no chão, mas o perigo começa quando um "esperto" sabe exatamente o caminho de como tirá-los de lá. E você tem medo que ele saiba que é conhecedor de tal caminho. Tudo começa assim. Medo, insegurança, gostar, sensação de bem estar, tudo se mescla e acaba fazendo uma salada de frutas em nossas cabeças. São tantos pensamentos soltos, tantas probabilidades, que ás vezes nos esquecemos de viver aquilo. Que dá medo, dá! Isso acontece justamente, porque o lado feminino tem dessas coisas.Sempre queremos organizar o futuro.Verdade seja dita, fazemos planos para estar junto daquela pessoa que nos faz bem, aquela que a cada ligação faz-nos tirar novas conclusões, e que mesmo com toda a insegurança, ainda sim, queremos estar ali,com ela, vivendo!
O mulheril precisa aprender uma coisa, que de fato, não é fácil mas temos que viver nosso presente, sem preocupações com o futuro. Por que temos medo de nos apaixonar? Paixão talvez seja mesmo algo perigoso. O segredo então, é aprender a dar dosagens suficiente ao nosso coração, para não correr o risco de existirem efeitos colaterais pois são esses "rapazes" que nos fazem ter toda aquela insegurança. Encare a paixão como se fosse um remédio, lembrando que caso for super dosado, existirá complicações.
E nesses anos de paixonites o que venho aprendendo é o seguinte, se algo te faz feliz, não tenha medo de viver. Procure não se prender ao seu futuro, e concentre-se em seu presente. E por favor, não tire conclusões precipitadas tomando como pressuposto seu passado. VIVA! Apenas viva o momento dando chance ao sentimento. E, como diria a minha querida genitora: "O segredo é ter jeitinho, e ir sempre pela beiradas!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário